Sobre o Bueno

Economista e ex-diplomata do MRE (Itamaraty), da turma de 1969 do Instituto Rio-Branco). Fui Subchefe da Divisão de Informação Comercial daquele ministério. Completei, como diplomata, o curso do ITC - International Trade Center (órgão da ONU), em Genebra, sobre ‘organização de serviços nacionais de promoção comercial’, tendo visitado organizações na Inglaterra (BOTB), França e Irlanda (CTT), além do estágio principal, na Suíça.

Atuei por longo período como trader e como analista de diversas commodities (mormente soja, metais e petróleo), em mercados de exportação de produtos agrícolas e agroindustriais - sobretudo de forragens e de soja - e em mercados de importação de produtos agropecuários (trigo e milho norte-americanos e carne argentina), de exportação de lagostas do Nordeste para Nova Iorque, de ferro gusa para a Coréia do Sul e de cacau da Bahia para diversos países. Negociei estes e outros produtos destinados a mercados usuais ou especiais. Dentre os últimos, ressalto a Alemanha Oriental (DDR), o Iran (antes e depois da revolução islâmica) e o Iraque (via barter, através de escrow account em Londres).

Como bolsista do USAID, visitei os EUA, obtive estágios e assisti a palestras em diversos órgãos vinculados ao setor financeiro e aos mercados de capitais e de commodities naquele país; e, além disso, também aos mercados de derivativos futuros, sobretudo opções. Destaco as seguintes instituições: Securities and Exchange Commission, Banco da Reserva Federal de Nova Iorque, CBOT (atual CME), NYBOT, COMEX, NYSE, NYMEX e NASDAQ, dentre outras bolsas, fundos de investimento, corretoras e outras organizações privadas, em diversos estados dos EUA.

Desempenhei por muitos anos funções na BM&F/BOVESPA, como ‘economista sênior’, como designer de novos contratos futuros agrícolas e na pesquisa de possível contrato futuro voltado para o mercado brasileiro de energia elétrica (baseado no ‘Nord Pool’ da Noruega). Fui analista da antiga Corretora Isoldi, subordinado a Carlos Isoldi.

Pratico artes marciais e, mais raramente, biking. Meus hobbies são a leitura (ficção e nāo ficção) e o cinema.

Proposta

Pretendo apresentar matérias versando assuntos brasileiros e internacionais, de cunho político, com ênfase nas respectivas análises históricas, geopolíticas, sociológicas e econômicas. Propriamente quanto aos assuntos brasileiros, tentarei examinar, sempre que possível, as especificidades do nosso sistema político, mormente no que se refere à fragilidade da democracia em nosso país, às graves distorções do sistema representativo aqui existente e ao predomínio em nossa sociedade do populismo e da corrupção.

Oportunamente, poderei escrever matérias alternativas, inclusive sobre assuntos demográficos ou pertinentes à infraestrutura no Brasil e/ou em outros países, ou versando outros temas que pareçam atuais.

E-mail

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Últimas postagens

O grande vazio político

São Paulo, 20 de maio de 2018

Antonio J T Bueno, economista,

Em 27 de março de 2018, Nathalia Passarinho, jornalista da BBC, reportou opiniões dos professores Timothy J. Power, Diretor do Programa de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford; e de César Zucco, Pesquisador da FGV, com respeito aos resultados da ‘oitava pesquisa brasileira sobre o poder legislativo’.

O conceito de razão pública desenvolvido por John Rawls e o momento atual da política brasileira.

Antonio J T Bueno

São Paulo, 25 de março de 2018

Em sua celebrada obra denominada “O liberalismo político” (vide referência bibliográfica abaixo) John Rawls incluiu um capítulo relativo ao seu famoso ensaio intitulado “the idea of public reason revisited” (‘a ideia da razão publica revisitada’), o qual havia sido publicado no verão do hemisfério norte, em 1997, na revista The Chicago Law Review. Segue, em livre tradução, sumário pertinente ao conceito básico de ‘razão pública, tal como formulado em língua inglesa pelo filósofo norte-americano.

Porque a MP 795 precisa ser imediatamente rejeitada?

São Paulo, 10 de dezembro 2017.

Antonio J T Bueno, economista.

A redação original da Medida Provisória 795 (que perderá a sua validade, caso a matéria não venha a ser aprovada em sua totalidade até 15/12/2017) concede para as empresas estrangeiras exploradoras de petróleo a isenção de pagamento do Imposto de Importação e do IPI, bem como das contribuições para o PIS/PASEP-Importação e para o COFINS-Importação. Aquelas empresas poderão deduzir do cálculo do lucro real os valores de suas despesas nos procedimentos de exploração e de produção de gás natural e de petróleo.

blogdobueno

Contato

  • Facebook
  • (11) 9 9229-6513
  • contato@blogdobueno.com.br